segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Mãos habilidosas



Em meu mundo fetichista...

A derme tão alva

Sem o resquício do sol.

Sou brasa...

Jogo-me em teu enredo.

Faço-te o predileto brinquedo.

O degusto como sorvete...

A língua o umedece.

A pele fina demonstra os seus sinais.

Não me contenho e desejo sempre mais.

As mãos habilidosas fazem o seu papel.

O membro teso fazendo escarcéu.

As respirações ofegantes...

Entregando-se!

Levando-nos ao delírio...

Contigo é tudo fascínio...

A luxúria de nossas essências faz parte.

Para que o tesão exploda...

E o elixir se derrame...

Alimentando os nossos corpos

E saciando as nossas almas!


Um comentário:

CLOVIS MARTINS disse...

Queria eu ser o objeto de tamanha volúpia...queria eu te seduzir...ao menos para escrevermos juntos...