sábado, 25 de dezembro de 2010

UM COROA E TANTO - 1ª PARTE



O despertador tocou exatamente na hora marcada: às cinco horas da manhã.


Marília tentou permanecer na cama pelo menos cinco minutinhos.


No entanto, lembrou-se que teria que passar no seu trabalho para organizar algumas coisas e depois resolver suas tarefas corriqueiras do dia-a-dia, como sua ida ao banco.


Levantou-se... Foi direto para o banho e logo em seguida um café bem rápido. E saiu!


Chegando ao trabalho, fez o que era necessário! E já era quase meio dia, quando já estava plantada na fila do banco. Reclamava em seu pensamento que já estava ali quase meia hora e nada de ser atendida! Desejava que naquele momento, o dia tivesse pelo menos dez horas a mais.



Mais alguns minutos já passados... Lá estava um homem paquerando-a. A princípio ficou incomodada...


Marília era uma garota bonita, 18 anos. Possuía a pele morena, cabelos encaracolados, que ficavam roçando no bico de seus seios.


O tal homem não parava de olhar em sua direção. Ao mesmo tempo em que a incomodava, Marília estava gostando de ser assediada.



- Que tesão de coroa! – exclamou ela em seu pensamento!



E entrou no embalo daquela paquera, para ver se ao menos o tempo passaria mais rápido.



O homem que a assediava encontrava–se atrás dela.

Marília percorreu atentamente o olhar sob o corpo daquele homem. Tinha a pele morena, um corpo de fazer inveja a qualquer garotão! Cabelos grisalhos e aparentava seus cinqüenta e poucos anos... Mas que delírio de homem!



Esses minutos ali... Sendo observada por aquele pedaço de mau caminho, também a deixara excitada! Sentia seus lábios úmidos e quentes. Não conseguia sair daquele transe. Já não se importava mais com a fila que ainda teria que encarar!



O tal homem, percebera que ela estava interessada naquele joguinho de sedução. Decidiu que arriscaria tudo para tê-la em seus braços!


Disfarçadamente, ele começou com o pé a acariciar a perna de Marília. Já que ela usava um vestido, acentuando a curva de seu corpo. Ela sentiu um arrepio. Mesmo com a surpresa do carinho, a sua vulva ficou ainda mais molhada. Estava excitada e desejando um estranho. O perfume que exalava dele inebriava todos os seus pensamentos de luxúria, desejando ter com ele uma boa gozada!


Marília, apenas disfarçou e deu um sorriso meio sem graça! Ele continuou em suas investidas: com o andar da fila, encostou-se sem “querer” o seu mastro exaltado no bumbum de Marília. E ela pode perceber o grande volume que se encontrava no meio de suas pernas. Com o impulso, virou para trás e olhou na direção daquele pacote delicioso.



-Ui! Que delícia! E eu aqui reclamando dessa fila e do tempo absurdo que estava perdendo
E com este tesão atrás de mim! – pensou consigo mesma!



O homem percebeu a sua intenção. Com o passar dos segundos ele provocava cada vez mais a libido daquela garota, disfarçando e tocando em partes do corpo daquela garota! E inspirava-lhe o mais profundo desejo e tesão, querendo desfrutar da delícia daquele garanhão!


Finalmente... Chegou a sua vez no atendimento! Procurou não demonstrar para os outros a sua respiração ofegante. Pois aquele delírio acabaria por ali...


Ao sair do banco, uma surpresa: o homem desconhecido tocara em seu ombro. Ela virou-se e sentiu o corpo estremecer com tamanha audácia.


Olá, querida! Percebi que você estava gostando da brincadeirinha! Que tal continuarmos? - o sugeriu.


Marília se surpreendeu com tal proposta. Queria recusar, mas seu corpo ainda latejava de desejo por aquele homem desconhecido!
Por alguns segundos, caminhou ao lado dele pensativa. Sua razão dizia que não. Mas o seu corpo dizia o contrário...

De repente, ele parou em frente ao seu carro.

- O que tivemos ali foi e está sendo delicioso! – disse ele interrompendo o silêncio.


Marília pode notar que o volume estava cada vez maior dentro de sua calça.


Naquele instante... Esquecera de todos os problemas que deveriam ser resolvidos! E adentrou no carro daquele homem desconhecido. Um pouco envergonhada pela situação!


Desculpe, mas não nos apresentamos!


- O meu nome é Fernando. – disse o homem desconhecido que agora passara a ter um nome. – E o seu? – quis saber.


Chamo-me Marília! - respondeu ela.


- Lindo nome! Combina com você! – quis ser gentil!


- Mas eu não tenho o costume de entrar em carro de desconhecido. – disse ela se justificando.


- Nossa! Hoje foi a primeira vez que não achei ruim em ter que ficar na fila de um banco. Com você na minha frente... Que delícia você é menina! – falou ele, envolvendo-a mais em sua excitação e desejos.


Marília percebeu que era tudo ou nada! Pois percebera que ele estava esperando tudo dela!

Continuaram a conversa para decidirem onde almoçariam...


De supetão Marília, vendo aquele mastro excitado, quase explodindo dentro da calça de Fernando, ajoelhou-se no banco do carro, empinou o seu bumbum.


Ele ficou extasiado com a visão daquela linda garota.


Marília, com delicadeza abriu o zíper da calça dele... Colocou aquele mastro grande e grosso para fora. Fitou-o por alguns segundos, imaginando penetrar por dentro de suas carnes. Enquanto isso, Fernando bolinava seus seios com uma das mãos. O corpo de Marília estremeceu em um gozo frenético!


Diante daquela inquietação. O almoço antes combinado em um restaurante foi transferido para um quarto de motel.


Marília se sentia a mais devassa dentre todas as mulheres. Já que estava dentro de um carro na direção de um quarto de motel com um homem que jamais vira.


Ela continuou em seus devaneios. No meio ao caos de uma mulher pervertida. Sua alma inundou de prazer com Fernando, que conhecera em uma fila de banco.


Marília chupava... Mordia... Acariciava... Lambia... Bolinava de todos os jeitos o mastro grosso de Fernando. Um homem cinqüentão estava se mostrando tão viril! E tão carinhoso. Ele tentava se concentrar na direção do carro, mas aquela mulher estava lhe proporcionando um prazer incondicional, naquele momento.


E o charme que Fernando? E aquele mastro? Povoavam de volúpia todos os sentidos de Marília. Uma garota no auge de sua juventude.


Ela tanto quanto Fernando queria curtir aquele momento emocionante e esquecer o stress e correria do dia-a-dia. Apesar da idade. Marília tinha grandes responsabilidades. Sua vida era preenchida com estudo, trabalho e os cuidados com a casa. Não sobrava nem um tempinho para conhecer uma pessoa. Nem que fosse só para dar uns pegas!


Finalmente, chegaram ao local desejado, onde realizariam todas as suas fantasias!



Quando adentraram naquele quarto, sentiram cheiro de pecado que exalava de cada cantinho daquele lugar. Imediatamente a boca de Marília foi sugada pela a de Fernando que metia freneticamente a língua em movimentos circulares!


- Delícia! Eu quero essa língua em todos os sentidos a bolinar! – disse Marília.


- Então, estará inteira ao seu dispor. Da maneira que desejares! – falou Fernando com um sorriso safado nos lábios.


Encostando o seu membro teso em sua vulva. E ele sentia os bicos dos seios de Marília contra o seu peito.


Aos poucos ele foi despindo-a... Desamarrando com calma e de cada vez as alcinhas do vestido dela. Que ao cair, exibiu a sua forma exuberante de garota! Ficando apenas de calcinha!


Fernando pegou-a no colo e deitou-a sobre a cama. Queria tudo... Sem pressa! Pois desejava viver... Sentir... Cada detalhe! Tirou-lhe a sandália. E começou a beijar os seus dedinhos... Suas panturrilhas... Tão serenamente, provocando mais a libido daquela garota! Aos poucos foi subindo... Passeando pelas coxas, por entre as pernas... E chegando a sua vulva que ansiava por aquele toque. Ele afastou de lado a sua calcinha... Fez que a bolinaria ali... Mas foi de encontro com a sua barriga e continuou subindo até abocanhar um de seus seios túrgidos de tanto tesão! Continuou subindo... Beijou-lhe a boca. Começou o caminho inverso no corpo daquela delícia! Mamou os seus seios com calma... Descendo chegou novamente a sua barriga... E finalmente onde Marília queria sentir toda aquela volúpia que a enlouquecia.


Fernando afastou a sua calcinha de lado e começou a brincar com aquele parque de diversões... Antes escondido! Iniciou com um dedo... E ele pode sentir todo o tesão de Marília. Aquela buceta úmida e seu grelo teso. Ela se contorcia e passava a mão pelo corpo.


Fernando desejou com mais tesão sentir aquela mulher: tirou a sua calcinha e com a língua começou a acariciá-la, lambê-la... E ela se contorcia toda, esfregando os seus seios provocativos com tanto desejo. Ele bolinava a sua vulva com a língua e seus seios com as mãos. Marília sentia um prazer delicioso. A língua daquele homem cinquentão era um espetáculo!


- Vai... Delícia... Sensação deliciosa essa sua língua está me proporcionando! Vai mete! Com força! – sussurrando disse Marília.

- Estou adorando chupar seu grelinho... Quero sorver o seu mel. Saborear o seu néctar! Hum... Gostosa! – disse Fernando baixinho.


Ela não só queria receber, mas também proporcionar prazer! Com jeitinho ela fez com que ele se deitasse e inverteu o seu corpo sobre o dele para iniciar um delicioso e delirante sessenta e nove!


- Sou uma menina gulosa! – disse Marília.

- Não é não! – falou Fernando.

- Então vou te provar! - respondeu Marilia sorrindo para ele.

- Adoro meninas gulosas... Que querem tudo! – disse ele em tom de ironia.

- Ai! Que delícia! Parece até um grande pirulito... Vou devorá-lo todinho. – disse ela rebolando na cara de Fernando.

- Hum... Que reboladinha... – disse Fernando.


Marília de uma só vez... Abocanhou o mastro cinqüentão. E que delícia... Enlouquecia em volúpia!


Marília ficou extasiada com aquele mastro retesado em sua boca e com a buceta na boca de Fernando. Ela gritava... Gemia... Rebolava... Contorcia-se sendo possuída pela língua daquele homem! Ele não fazia por menos também! Uma sincronia desenfreada. Ficaram ambos assim se deliciando um com o outro. Até que juntos gozaram!


Marília serpenteou pelo corpo de Fernando e beijou-o tão ardentemente com o gosto do gozo dele na boca misturando-se com o seu! Estavam extasiados com tanta loucura.


Foram tomar uma ducha para se recomporem. Mas a sessão de carícias continuou no banho: entre beijos, abraços e amassos,


Fernando encostou Marília contra a parede, metendo em sua buceta o seu mastro que novamente estava excitado! Marília deu-lhe uma chave de pernas, sentindo cada vez mais forte as estocadas de Fernando dentro dela. Suas socadas eram fortes e firmes, até que em meio aos gritos e gemidos ela gozou novamente e em seguida Fernando. Suas pernas amoleceram. Continuaram o banho em meio às delícias e carícias.


Depois de uma pausa para o almoço. Foi à vez do cuzinho de Marília receber as estocadas e socadas de Fernando:


Marília, toda provocante em cima da cama... Colocou-se de quatro com o bumbum empinadinho... Apontando para o lado de Fernando. Toda oferecida! Ele contemplou aquela visão e ainda paralisado pode ver aquela mulher deliciosa se tocando e brincando sozinha... Com os dedos em sua vulva... Passeando pelo rabinho.


- Você não quer? – perguntou-lhe provocativa.

- Hum... Que delícia... Claro que eu quero! – respondeu ele.

- Então vem! – convidou ela.

- Antes eu quero ver do que és capaz! O que pode fazer sozinha... Quando está carente e não tem ninguém para aliviar o seu tesão! – o instigou mais ainda.

- Então, delicie-se! E toca uma... Que eu também quero ver! Quero este mastro retesado, latejando aqui... Ô! – falou ela colocando o dedo no cuzinho.


Neste momento, Fernando ficou louco! E partiu para cima dela.


- Você disse que queria ver! Então veja! – o deteve.


Marília começou a se esfregar. Colocou os dedos na boca... Chupando-os como se fosse o mastro de Fernando. E depois metia em sua vulva quente e molhada.


- Você quer? Mas não te dou! – disse ela provocando.

- Ah... Desse jeito você me tortura! – disse ele.


Marília acariciava o seu cuzinho... Enfiava os dedos em sua vulva novamente para molhá-los com o líquido que a umidificada. E em seguida ficava contornando o seu cuzinho e metia os dedos nele.


- Ai! Delicioso... Mas não pode tocar... –disse Marília com seu exibicionismo e desenvoltura. Tocando uma siririca para ele ver.


Fernando ficou louco com o show daquela mulher estonteante na sua frente Sentia-se torturado... Pois já sentira o gostinho e queria continuar participando daquele banquete pelo destino lhe oferecido.


Enquanto Marília o provocava... Ele tocava uma punheta bem gostosa para ela!


Ela não suportando mais tanto tesão sozinha... Chamou Fernando para saciar a sua vontade.


Ele não se fez de rogado... Partiu para o ataque vendo aquele bumbum empinadinho e rebolando para o seu lado. Foi encostando a cabecinha... . E aos poucos enfiando todo aquele pau dentro da buceta de Marília que gemia de prazer!


- Ai! Gostoso! – disse ela recebendo o mastro de Fernando.


- E você fazendo charminho... – brincou ele.


Fernando começava então as suas estocadas... Com o ritmo mais acelerado fazendo o corpo de Marília estremecer de tanta volúpia!


- Mas que homem gostoso! – dizia ela.


Pedia para Fernando aumentar o ritmo de suas estocadas. Gritava para ele meter e socar com mais vontade!


Enquanto se saciavam de tanto prazer!


O delírio entre os dois era tão grande... Que os dois gozaram juntos. Marília sentiu a sua buceta ser inundada pela porra de Fernando... Quente e deliciosa. Mas o pau grosso e retesado de Fernando ainda estava querendo mais. Então com vontade ele meteu todo aquele cassete lambuzado de porra no cuzinho apertadinho de Marília que foi ao delírio. Não sentia mais as suas pernas... Estavam amolecidas de tanto gozar com aquele homem estranho.


Um cinqüentão e tanto... Uma delícia de coroa!


Passado a euforia daquele dia inesquecível... Fernando deixou Marília próxima a sua casa com a promessa de reverem-se novamente para mais uma manhã, um dia ou uma noite de loucuras e muito gozo.

Era só dá um simples telefonema!

Um comentário:

Ventas.. disse...

Belo e excitante texto...

Ventes