sábado, 25 de dezembro de 2010

UM COROA E TANTO - 2ª PARTE



Marília estava extasiada pelo o que acontecera naquela fila de banco e o que veio depois!


- Nossa! Quem diria que em um dia comum, em plena fila do banco, conheceria um homem como Fernando? Que tesão de coroa! Que homem! – ficou Marília divagando em seus pensamentos.


Naquela semana, os dias transcorreram normais, tranqüilos como deveriam ser. Exceto a inquietação de Marília. Pois esperava ansiosamente um contato de Fernando.


- Mas será que ele ligará? – perguntou ela mordendo a ponta da caneta.


Marília dividia um pequeno apartamento com Walquíria, as duas sempre foram muito amigas desde os tempos do primário e tinham a mesma idade. Dividiam as despesas e os cuidados da casa.


Mas Walquíria sempre fazia a linha mais recatada. De vez em quando tinham lá suas diferenças, mas no final das contas tudo acabava bem!


Walquíria quando estava namorando, não gostava de levar o namorado para casa. Às vezes, acontecia somente quando tinha certeza de que a amiga não estava.


Walquíria era muito assediada, mas era difícil dar assunto ou alguma chance para algum paquera.


Ela, às vezes, tinha um temperamento meio complicado, mas era uma boa pessoa. Possuía os cabelos lisos e castanhos, a pele branca, seios fartos e túrgidos que enlouqueciam os marmanjos por onde passava. Porém, não estava nem aí!


As duas confidenciavam as suas angústias e desejos.


Marília lhe contou o que acontecera no banco e como foi ficar com Fernando.


- Ai, amiga! Será que Fernando me liga? Ou não vai querer me ver? – perguntou Marília deitada no sofá olhando para o teto.




- Deixa de ser boba! Se esse tal de Fernando for do jeito que me contou... Claro que ele vai te ligar! – consolou-a a amiga.


-Tá! Mas se ele não me ligar? – quis saber Marília.


- Você liga! Sua tonta! – falou Walquíria, jogando a almofada na amiga.


Assim continuaram a conversa...


No dia seguinte:


- Ainda bem que hoje é sexta-feira! Estou louca para chegar a casa e dar uma relaxada. Tomar um banho e assistir algum DVD! – confidenciou Marília, para uma colega de trabalho.


Marília chegou a casa e não encontrou a amiga.


- É! Walquíria que está certa! Tremenda sexta-feira e o meu programa é assistir DVD e sozinha. – falou Marília.


Marília ligou o som e foi para o seu banho. Ficou relembrando cada toque de Fernando em sua pele. Cada sensação de gozo. Mas não quis se aprofundar em seus delírios. Pois não teria, mas aquele homem em suas mãos! Não sentiria mais o seu gozo e nem o toque de sua pele. Para ele, não passara de uma diversão. No entanto, adorou ser seu brinquedinho.


Preparou uma bacia de pipocas e foi assistir ao DVD. Não estava prestando atenção no que se passava no filme. Pois desejava estar com Fernando, naquele instante.


Quando pensou em pegar o telefone... O seu celular tocou!


- Acho que ele leu meu pensamento! – falou ela ao ver que era Fernando.


- Oi! Que surpresa! – falou Marília.


- Oi, delícia! Tudo bem? - quis saber ele.



- Tudo! E você? – respondeu ela.


- Bom... Mas se está tudo bem! Quero te ver agora! Posso passar aí para te buscar? – perguntou Fernando.


- Claro que sim! Podemos ficar aqui. Já que estou sozinha em casa. E pelo o que conheço de minha amiga. Só volta de manhã. – falou Marília.


Com um tempinho passado, Marília ouviu o barulho de um carro se aproximando. Olhou pela janela. Batimentos cardíacos acelerados. Era Fernando! Esperou pelo toque da campainha para atendê-lo na porta. Mas a sua vontade era sair correndo para ir ao seu encontro.


- Olá! Boa noite! – cumprimentou-o Marília.


- Boa! Melhor ainda aqui com você! – disse Fernando.


- Então, fique a vontade! Quer alguma coisa para beber? Sempre temos cerveja e refrigerante. Mas se desejar posso fazer um café para nós dois! – falou Marília educadamente.


- Hum... Deixa-me ver. Para começar... Quero um beijo! – falou abraçando e sugando a boca de Marília.


Marília não resistiu... Queria se permitir novamente com aquele tesão de coroa!


Aos poucos, ela foi tirando a roupa dele com ferocidade, pegando e sugando aquele mastro novamente em sua boca.


- O quero todinho... Dentro de minha boca! – falou Marília.


- É todo seu! Faça o que quiser! – disse Fernando sorrindo.


- É mesmo? – perguntou Marília.


Fernando balançou a cabeça em sinal de afirmação.



Marília, tomou aquele mastro em suas mãos, acariciou, mordeu, lambeu... Até deixá-lo em ponto de bala.


- Sabe o que eu quero agora? – perguntou ela.


- Falei... O que você quiser! – disse ele.


- Eu quero uma surra de pau, bem na minha cara! – disse ela com jeito de safada.



- É isso? Você manda e eu obedeço! – respondeu Fernando todo galante.


Foi a vez dele de segurar o próprio mastro e bater com ele no rosto de Marília, que delirava em sua própria volúpia, bolinando os seus seios.


- Agora é a minha vez! – falou ela.


Marília fez de sua boca uma caverna para Fernando, meter todo aquele mastro teso nela... Como se fosse a sua vulva em um frenético vai e vem! Até Marília, sentir o leite quente dentro e como ensandecida engolia tudo!


- Menina gulosa! Engoliu! Tomou todinha a minha porra! É assim que eu gosto! – falou Fernando.


- Adoro um leite quente de coroa em minha boca! – falou Marília.


- Então gostas? – perguntou ele.


- A-do-ro! – respondeu ela.


- Hum... Menina! Assim você me deixa louco! – falou Fernando.


- Agora... Venha sugar o néctar da minha vulva. Ela está piscando por essa sua língua... Está sedenta! – convidou Marília.




Fernando ajoelhou-se aos seus pés e freneticamente começou a sugar aquela buceta de ninfa tão apetitosa.


- Olha, que tentação de menina! Assim me faz desvairado nessa volúpia que incendeia os nossos corpos! – falou Fernando.


Marília sentia um frenesi por entre as suas entranhas! Cada toque de língua que aquele homem lhe dava parecia que o chão desapareceria sob os seus pés!


Apoiou um dos pés no sofá para ficar mais acomodada e assim receber as carícias daquele cinqüentão tesudo!


De repente, ela gozou... Seu corpo se contorceu, e sentiu seu líquido escorrer...


Fernando lambeu todinho. Deixou-a sequinha novamente!


Fernando a colocou sentada no sofá levantou suas pernas e começou a acariciá-la novamente... E meteu com vontade o seu membro teso na vulva de Marília.


- Ai! Que delícia! Vai! Não pára! – falou Marília aos gritos.


- Você manda e eu obedeço, minha delícia de menina! – disse Fernando.


Os dois continuaram nessa gostosa loucura. Até se entregarem ao gozo completo!


Marília colocou-se de quatro rebolando para o lado de Fernando, exibindo o cuzinho e a buceta de uma vez só! Ela começou a se tocar! E essa cena provocou uma reação hipnótica em Fernando.


Ele começou a lamber aquela vulva, enquanto ela se tocava... A língua dele passeava entre a sua vulva intumescida e o seu reto... Ele metia sua língua dentro do rabinho dela... Que se contorcia e rebolava na cara de Fernando.


- Eu quero teu mastro dentro desse cuzinho. Mete com vontade e com carinho! – pediu Marília.


- Bendita seja aquela fila de banco! – disse ele.


- Mas antes, eu quero na minha boquinha. Quero deixar o teu mastro molhadinho. – disse ela toda dengosa para o lado de Fernando.


Fernando deu o seu mastro para ela chupar! Enfiou com força em sua boca.


- Delícia! Tesão de pau! – disse Marília gemendo.


- Menina... Você é demais! – disse ele.


Quando percebeu que ele estava totalmente excitado:


Meu cuzinho está pedindo o teu mastro! – disse ela se tocando.


Fernando passou a língua em suas costas descendo até o bumbum. Deu lambidas em suas nádegas e depois no seu cuzinho... Para depois penetrá-lo com os dedos!


Marília estava sentindo um prazer enorme quando sentiu ser penetrada pelo mastro grosso e volumoso daquele cinqüentão.


- Ai! – deu um grito como se fora a primeira vez.


- Vou tirar! – ameaçou ele.


- Não! Continua! Um pouquinho de dor... Atiça mais o tesão! – falou ela.


- Mas que menina malvada! – brincou Fernando.


Aos poucos ele começou com os seus movimentos, aumentando gradativamente as suas estocadas até golpear com força o cuzinho de Marília.


Ela gritava, gemia e rebolava com aquele mastro retesado dentro dela.


Como já se conhecessem o bastante tempo, Marília esperou a deixa de Fernando para gozarem juntos.


Os seus corpos estremeceram em gozo duplo.


O cheiro inebriante de luxúria atiçava mais a imaginação de Marília.


Corpos suados e entorpecidos de êxtase! De o gostoso gozar com Fernando. Um cinqüentão que era nota mil na hora de transar. Superou em todos os requisitos os garotos com quem teria ficado.


Ela mergulhou cada vez mais em seus pensamentos...


Fernando estava meio adormecido, quando ela quis continuar com aquela festinha a dois... Ali na sala.


Como gata no cio, começou a acariciar o corpo de Fernando, com as mãos e com a língua, acordando ele suavemente. Percorreu todo o seu corpo, até alcançar o âmago. Então pode perceber o mastro dele, crescendo em suas mãos.


Marília começou a chupá-lo serenamente. E se tocando...


- Ai! Estou aqui a brincar com um mastro e tanto! – sussurrou ela no ouvido dele.


- Você é um tesão menina! Sabe cuidar direitinho de um homem! – disse ele.


- Então, quero ser tua menina! Sempre que quiseres! – disse ela sorrindo.


O mastro de Fernando, nesta altura já estava no ponto que ela desejava. Levantou-se...


- Para onde você vai? Agora que está ficando gostoso novamente! – quis saber ele.


- Não vou para lugar algum! Respondeu ela sentando no colo de Fernando, rebolando e esfregando o bumbum naquele mastro teso.


Aos poucos... Levantou-se novamente e ela encaixou a sua buceta em seu mastro.


-Ui! Ai! Maravilha! – falou Marília.


- Minha doce menina! Não quero mais perdê-la. Pensei que tivesse que ensina-la. Mas percebi que sabe fazer tudo direitinho! – falou Fernando.


Marília começou a rebolar com o mastro dele metido em sua buceta. E em seguida num delicioso sobe e desce.


- Vai, minha cachorrinha! Você é deliciosa! – disse Fernando.


Sem tirar o membro de dentro, Marília, girou o corpo e iniciou uma cavalgada sobre o mastro daquele cinqüentão!


Fernando abocanhou os seus seios... Mordia... Apertava-os contra o seu peito cabeludo... Beijava sua boca desvairadamente... Sugando língua... Metendo a sua na boca de Marília.


Marília gritava... Urrava... Gemia... Desejava que o tempo cessasse para ter Fernando ali, dentro de si! Ela sentiu o líquido espesso e quente de Fernando encher a sua vulva e o seu mel se misturar ao dela em mais um delicioso gozo.


Permaneceram assim, a noite toda. Descobrindo-se um pouco mais. A cada gozada de qualquer jeito em quaisquer posições, deixava-os loucos envolvidos na luxúria e na volúpia de seus corpos. Estavam ainda mais entrelaçados no desejo e no tesão!


Adormeceram ali mesmo...


Ao despertar pela manhã, Fernando não quis acorda-la e deixou um bilhete sob a mesinha do telefone.


Marília, ao acordar. Encontrou o bilhete que dizia:

Bom dia!
Menina, não quis acorda-la.
Você dormindo parece um anjo.
Um anjo... Que me prendeu!
Velei um pouco o teu sono...
A mais tarde te ligo.
Nossa noite... Será inesquecível!

Beijos
Fernando


De repente, a porta se abriu. Era Walquíria, chegando de mais uma noitada com o namorado.


- O que houve amiga? Você passou a noite na sala? – quis saber ela.


- Amiga, nem te conto! Mas... – saíram as duas em direção a cozinha.


Enquanto preparavam o café, Marília contava para amiga, o que se passara ali durante a noite... Naquela sala.

Um comentário:

eroticamenteincorreto disse...

Adoro visitar teu blog e desfrutar dos belos contos daqui,... Parabéns!