sexta-feira, 18 de julho de 2014

Química explosiva



Há algum tempo, estou trabalhando em um comercio. Como fico na linha de frente da loja, às vezes, aparecem uns engraçadinhos jogando charme.

Nunca havia dado brecha para tal comportamento, procurando me manter o mais inacessível possível.

É de meu costume cumprimentar as pessoas quando elas acessam o recinto. Algo que observei, foi as minhas que as minhas colegas não o fazem.

Vai ver que é, por isso, que algumas pessoas confundem o meu comportamento.

Até quer um dia, dentre os clientes apareceu um homem que mexeu muito comigo. No entanto, o profissionalismo falou mais alto.

Até então, não sabia o seu nome, porque tanto ele quanto a mim, nos mostrávamos bem formais.

Entre idas e vindas, ele sem demonstrar interesse, foi quebrando o meu gelo, procurando atingir o seu alvo... O seu ponto desejado.

E meu cliente favorito revelou o seu nome: Luciano.

- Que homem era aquele? – Perguntava-me.

Caramba!

Tentava ser o mais profissional... Porém, havia momentos que deixava algo passar.

Moreno... Alto...

Apesar de magro, um corpo bem definido.

Um dia, sem ao menos esperar, Luciano quis saber se poderíamos conversar em outro lugar que fosse neutro. Onde pudéssemos ficar à vontade.

Sinceramente o seu convite me surpreendeu.

Só de estar ali com ele, a buceta já dava sinal de vida. Imagine em outro lugar?

O meu horário de trabalho é meio imprevisíveis e, ainda mais os dias quando penso que irei trabalhar no turno da manhã, o meu horário é trocado.

Ele e eu combinamos mais ou menos quando seria o dia de minha folga, ou menos a previsão.

Mesmo estando ansiosa, não criei muita expectativa para o encontro, já que não é todo sapo que vira príncipe.

Ainda pela manhã, ele me ligou querendo confirmar se estava tudo certo. Avisei que sim e, que poderia me esperar no local no qual havíamos marcado.

As coisas organizadas e eu bem produzida.

O combinado seria de nos encontrar em frente ao cinema de um shopping em outro bairro.

Luciano trajava esporte fino... E, para não cometer nenhuma gafe, preferi um vestido.

Ao chegar lá já me aguardava.

O convite para a próxima sessão foi feito, porém, sugeri que ficássemos na lanchonete.

Assim, poderíamos conversar e nos conhecer mais um pouco.

Pra adoçar a conversa, pedi somente um milke shake e, ele um refrigerante.

Como somos adultos, a conversa foi tomando uma conotação mais envolvente, ou seja, sexual.

Todos aqueles assuntos foram mexendo não somente com a libido de Luciano, como da minha também.

A respiração ofegante... A boca ressecada denunciavam o tesão.

Os meus lábios secos faziam com que a todo o momento passasse a língua sobre eles.

Luciano seguia atentamente os meus movimentos.

A sua ousadia foi tanta que, passou a mão sobre a minha coxa levantando o vestido por baixo da mesa.

O líquido a escorrer em minha buceta, o senti, molhando a calcinha.

Foi inevitável não possuir o tesão se apoderando com mais êxito em meu corpo. E Luciano teve a certeza de que nosso encontro não acabaria por ali.

Era evidente a olhos vistos e, ele não demorou a tomar iniciativa.

- Vamos ir para um lugar mais reservado? – O sugeriu.

Por mais que quisesse dar mais um passo, já o conhecendo há algum tempo.

Quantas vezes morri de tesão por um homem e fiquei no zero a zero? Mas com o Luciano poderia fazer diferente.

Deixei que o tesão falasse mais alto do que toda e qualquer razão.

- Uma boa idéia! – Respondi.

Luciano riu e disse que aquela atitude poderia gerar muitos momentos prazerosos.

Após conversarmos mais um pouco decidimos o local onde poderíamos ir, caminhamos para o ponto do táxi, no qual nos deixou na recepção do motel bem conhecido por ser um dos mais requisitados da cidade.

Confesso que logo eu, quem gosto de surpreender, fui surpreendida!

Luciano desejava que aquele momento fosse bem marcante e, eu também é claro!

A excitação nos consumia por dentro e, sem ao menos esperar mais um segundo, entre beijos fomos despindo um ao outro mutuamente.

Lentamente nossos corpos eram revelados.

Cada detalhe...

Cada centímetro de pele arrepiada...

Meus seios túrgidos...

O seu membro teso...

Luciano mostrava ser um home bonito, esse motivo fazia a imaginação ir mais além. E estando com ele nesta situação em nada me decepcionava. Pelo contrário: Alimentou mais a libido... O tesão!

As suas mãos me tocavam sem nenhum pudor!

E quem queria ser pudico a aquela altura do campeonato?

Por algum momento ele cessou e, ficou admirando os contornos de meu corpo com a certeza em meio ao contraste com o seu já que, Luciano é bem moreno!

O cheiro de sexo reinava pelo ambiente.

Luciano me pegou pela mão e me levou para a hidromassagem.

Então, o fiz que ficasse sentado à borda e o meu corpo submerso, neta posição iniciei um delicioso boquete.

A minha boca se abria para recebê-lo.

O seu cacete engolia com tamanha fome que, em alguns momentos ficava sem ar.

- Deliciosa sua boca! – Dizia ele.

Ficamos um tempo assim...

Até que na hidromassagem, ele sentado investi sobre o seu corpo encaixando o meu.

Luciano se surpreendia com a iniciativa que tomava.

A água se agitava devido aos movimentos bruscos...

Igual uma cachorra rebolando em sua vara...

- Isso! Fode... Quero lhe fuder todinho... – Dizia para ele.

Dava continuidade, até que gozei gritando o seu nome.

- Luciano... Luciano... Luciano...

Deixamos o ambiente da hidromassagem e nos dirigimos para próximo da cama.

Antes de me deitar, Luciano me puxou...

O cacete teso roçava no orifício, procurando invadi-lo por vontade própria.

Por mais que desejasse adiar aqueles instantes... Por mais alguns momentos, foi
inevitável não sentir a sua vara quente me perfurando.

Luciano se contagiava com os meus sussurros que, tão logo se transformaram em gemidos.

Luciano de pé, puxou-me de encontro ao seu quadril, fazendo-me pular sobre o cacete
teso.

Ao momento me entregava...

Deixava-me contagiar pelos movimentos de nosso enclave.

- Você é muito deliciosa! – Dizia ele.

- Delícia é você! – respondi.

Continuava pulando na sensação de estar em uma gangorra.

Os meus longos cabelos batiam de encontro ao meu corpo, por hora eram puxados.

- Isso Luciano! Puxe-os! – pedi a ele.

- Então gosta de uma transa com mais emoção? – Quis saber.

- Hum! Com muita perversão! – respondi.

- Entendi cachorra! – Brincou ele.

Os meus gemidos inebriavam a sua virilidade masculina.

- Segure as minhas nádegas! – Pedia aos pulos.

Conforme Luciano me puxava por baixo, seus dedos anelares resvalavam em meu anelzinho.

De olhos fechados vagava por outra dimensão, sentindo a energia do corpo de Luciano,
até as nossas energias se harmonizarem e entrar em combustão, explodindo em gozo.

O meu êxtase foi tamanho que, cai sobre os braços dele que, colocou-me sobre a cama e, comigo de quatro continuou a me socar... Até sentir as pulsações de seu membro e imponente latejando em minha buceta.

Mesmo depois de gozar, Luciano continuava teso, com o cacete apontando para o teto. Não me fiz de coitadinha e parti para cima, montando sobre ele.

- Nossa! Quanta energia! – Comentei,

- Quanto fôlego, digo eu! – Falava ele.

- Para um homem ter essa energia toda, precisa de uma mulher que lhe dê toda assistência! - Disse a ele.

- Faz sentido! – Respondi subindo e descendo em sua pica.

O meu corpo continuava respondendo aos estímulos de Luciano, rebolando com sua pica
atolada dentro de mim.

A buceta inchada...

O meu clitóris em atrito com a carne alheia. Os delírios evidenciados tornavam aquele encontro explosivo.

Luciano lia nas entrelinhas de meu corpo, tudo o que queria lhe dizer.

De repente, meu corpo deu início a espasmos... Aos gozos múltiplos...

Correntes elétricas percorrendo em cada fiapo de veia que ali pudesse conter.

Encontrava-me louca... Totalmente ensandecida... Embevecida em uma foda imensurável.

Pressentia que Luciano estava prestes a gozar novamente e, sem nada dizer de joelho sobre ele, assim se libertando de minha buceta. E com cuidado direcionei-o para a entradinha particular de meu cu.

- Quem diria que por detrás daquele balcão pudesse existir uma mulher tímida, às vezes, atrapalhada e, ao mesmo tempo fogosa e determinada em cima de uma cama! – Observou ele notando a minha intenção.

- Sou do tipo de mulher que adora surpreender ao homem por quem me interesso! – Expliquei encostando a cabeça de seu cacete na borda do rabinho, começando a piscar.

Aos poucos a sua cabeça quente e tesa foi rasgando a entradinha.

O corpo de Luciano é bem definido, o que propicia tal posição.

Devagarzinho fui sentando sobre sua rola, com meu rabo piscando para ele.

Nesse momento olhava fixamente para o s eu rosto... Para os seus olhos, sentindo e

assistindo o prazer estampado em sua feição.

Quando engoli toda a sua vara, finalmente sentei com gosto, rebolando com maestria,
sentindo-o em meu canal anal.

- É mais do que poderia imaginar! – Disse ele, comigo parada, mordendo a sua barra de ferro.

- É você quem está me conhecendo agora! Pois adoro ter uma rola cravada em meu rabo! – Explicava-lhe.

- Puramente pervertida e deliciosa! – disse Luciano.

- Relaxe e aproveite! – Sugeri.

Luciano obedeceu a ordem.

Os meus movimentos eram mesclados e ao mesmo tempo ele me tocava o que me fazia sentir
um prazer desmedido.

- Luciano me bate! – Pedi a ele.

Ele estalou uma bofetada em meu rosto, em seguida começou a apertar com força os seios
e batendo neles.

- Isso cachorro! É dessa maneira que gosto e que, mais me excita! – Avisei sem parar o que fazia.

Nesta loucura toda, Luciano sentiu a buceta derramar o liquido quente e viscoso, o meu cu a se contrair em movimentos involuntários mordendo os eu cacete, quase o partindo em dois. O que fez a sua excitação fugir de seu controle. Logo em seguida os seus lampejos se misturando aos meus, enchendo o meu cu com seu leite quente e latente.

Deixamos-nos cair exaustos sobre a cama, recuperando as energias para a próxima foda.

Este foi apenas o aperitivo... Pois queríamos repetir aquela dose de luxúria.

Ao sairmos do estabelecimento, ele chamou um táxi que o deixou em casa primeiro e logo em seguida a mim, já que concordamos em não evitar sermos vistos juntos.

Para quê?

Rótulos... Compromissos...

O que aconteceu é apenas um encontro de química.

E a nossa é bem explosiva!



Um comentário:

pedro manela disse...

Conto mais do que perfeito, extremamente forte em matéria de tesão, coisa alias que vc sabe arrancar de um homem muito bem