sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

NA MIRA DO DESEJO


Queria você desde o início,
A tua visão me atiçou o cio.
Deixou-me sem princípios,
Para me defender do tesão.
Já não sei mais o que faço,
A voz da razão, foi pro espaço.
Estou indefesa em tuas mãos,
Quero sentir toda a emoção.

Venha não tenha medo,
Vou realizar íntimos desejos.
Por mais que embrenhados,
Na boca o paladar do beijo.
Em tua alma, sem demora,
Como quem saciar procura.
Não usarei nenhum atalho,
Pintarei os corpos de vermelho.

No espelho refletido a devassidão,
Seguiremos em outra dimensão.
O teu membro em total ereção,
O prazer em completa obsessão.
Fazendo-me no teu corpo cavalgar,
Inerte... Mergulhando em teu mar.
Submergindo em teu líquido espesso,
Com você me revirando do avesso.

2 comentários:

Luis disse...

Quantas vezes acontecerá, em vinte e quatro horas, uma pessoa ver outra e a partir daí não a conseguir esquecer? Passar a desejá-la é um pequeno passo a ponto de, desde essa altura, nao nos sair da cabeça...
O desejo, a sedução, a atracção... a vontade de nos perdermos por completo com essa pessoa, mesmo não sabendo se ela sente o mesmo por nós...
Fantasiar, sonhar, desejar, querer, possuir... tudo isso se torna avassalador.
A sensação é maravilhosa... resta saber o que pensará a outra pessoa. A desejada...

Beijos para você Fabby... mais uma poesia deliciosa.

Michelly disse...

Lindo seus contos adorei !!! parabens